quinta-feira, 20 de maio de 2010

Verdades e Mitos Sobre o LHC

O Grande Colisor de Hádrons

Grande Colisor de Hádrons, ou Grande Colisionador de Hadrões (Large Hadron Collider - LHC) do CERN, é o maior acelerador de partículas e o de maior energia existente do mundo. Seu principal objetivo é obter dados sobre colisões de feixes de partículas, tanto de prótons a uma energia de 7 TeV(1,12 microjoules) por partícula, ou núcleos de chumbo a energia de 574 TeV (92,0 microjoules) por núcleo. O laboratório localiza-se em um túnel de 27 km de circunferência, bem como a 175 metros abaixo do nível do solo na fronteira franco-suíça, próxima a Genebra, Suíça.

Obs. Como engenheiro sou favorável as  pesquisas científicas, mas sempre que fazemos algum experimento científico precisamos tomar todas as medidas de segurança e algo me diz que isto não está sendo levado plenamente em conta pelos responsáveis pelo CERN e o LHC, pois estamos falando em mexer com energias somente vistas nos primórdios de nossa existência, ou seja, o Big Bang, onde tudo surgiu tal como conhecemos, até mesmo o espaço tempo começou a partir desta explosão e quem garante que ao recriarmos estas condições, mesmo em laboratório, não iremos iniciar novos espaços-tempo, com abertura de novos portais inter-dimensionais sabe se lá para onde?
Podemos colocar em risco não só nossa existência como a de todo o  universo. Não faz muito tempo que o homem começou a mexer com a energia nuclear e todos nós sabemos das conseqüências boas e más que isto resultou, bombas termonucleares foram feitas e usadas sobre populações civis e até nossos dias a ameaça de uma destruição termonuclear é uma realidade, até mesmo no uso pacífico dessa energia com falta do devido cuidado houveram problemas, vide o acidente que ocorreu na usina nuclear de Chernobyl.
Abaixo segue mais explicações sobre o LHC e os relatos de cientistas e pesquisadores sobre os prós e os contras dessa gigantesca máquina.  

O LHC entrou em funcionamento em 10 de Setembro de 2008.
A primeira colisão entre prótons ocorreu 30 de Março de 2010.

Interrupção no funcionamento
Em 19 de setembro de 2008, ocorreu um incidente no setor 3-4 do LHC que resultou em grande vazamento de hélio no túnel. Segundo uma nota de imprensa publicada pelo CERN no dia seguinte, foram feitas investigações preliminares que apontaram como provável causa do problema um defeito na ligação elétrica entre dois ímãs, o que causou a falha mecânica.
A Organização informou na nota que o setor teria de ser objeto de reparos, o que interromperia o funcionamento do LHC por, no mínimo, dois meses. Os reparos demorariam apenas alguns dias, mas o setor onde ocorreu o incidente deve ser aquecido para tornar possível a manutenção, consequentemente levando mais tempo.

O retorno ao funcionamento
Depois de ficar desligado por quatorze meses, o LHC foi religado na sexta-feira, dia 20 de Novembro de 2009, segundo James Gilles, porta-voz do CERN.
Os primeiros testes duram apenas uma fração de segundo, onde as partículas somente podem dar meia-volta ou uma volta em torno do anel do acelerador. A circulação de partículas no gigantesco equipamento começará em um primeiro momento em baixa energia, com 450 GeV, e quando os cientistas injetarem feixes em direções opostas se produzirão, a essa velocidade, as primeiras colisões.
A partir de então, o experimento consistirá em ir aumentando progressivamente a potência da circulação dos prótons, até chegar ao momento mais esperado e temido por alguns: as primeiras colisões de partículas a velocidade próxima à da luz, cujos primeiros cálculos apontam para que possa ocorrer dois meses após seu religamento.
Nesse momento, serão recriados os instantes posteriores ao Big Bang, o que dará informações chaves sobre a formação do universo e confirmará ou não a teoria da física, baseada no Bóson de Higgs.

Características


Durante a construção do LHC no túnel do que foi o LEP.


Instalado no túnel do anterior LEP (ver foto à direita), e depois de ter sido completamente esvaziado antes de ser preparado como LHC, tem forma circular e um perímetro de 27 quilômetros. Ao contrário dos demais aceleradores de partículas, a colisão será entre prótons e não entre pósitrons e elétrons (como no LEP), entre prótons e antiprótons (como no Tevatron) ou entre elétrons prótons (como no HERA). O LHC irá acelerar os feixes de prótons até atingirem TeV (assim, a energia total de colisão entre dois prótons será de 14 TeV) e depois fá-los-á colidir em quatro pontos distintos. A luminosidade nominal instantânea é 1034 cm−2s−1, a que corresponde uma luminosidade integrada igual a 100 fb−1 por ano. Com esta energia e luminosidade espera-se observar o bóson de Higgs e assim confirmar o modelo padrão das partículas elementares.



Constituição



Instalando o CMS (compact muon solenoid) "Solenóide de Múon Compacto".
Possui um túnel a 100 metros ao menos debaixo da terra na fronteira da França com a Suíça, onde os prótons serão acelerados no anel de colisão que tem cerca de 8,6 km de diâmetro.
Amplificadores serão usados para fornecer ondas de rádio que são projetadas dentro de estruturas repercussivas conhecidas como cavidades defrequência de rádio. Exatamente 1232 ímãs bipolares supercondutores de 35 toneladas e quinze metros de comprimento agirão sobre as transferências de energias dentro do LHC.
Os detectores de partículas ATLAS, ALICE, CMS e LHCb, que monitoram os resultados das colisões, possuem mais ou menos o tamanho de prédios de cinco andares (entre 10 e 25 metros de altura) e 12 500 toneladas. O LHC custou cerca de três bilhões de euros ao contribuinte europeu.
Objetivos

Um evento simulado no detector de CMS, com o aparecimento do Bóson de Higgs.
Um dos principais objetivos do LHC é tentar explicar a origem da massa das partículas elementares e encontrar outras dimensões do espaço, entre outras coisas. Uma dessas experiências envolve a partícula bóson de Higgs. Caso a teoria dos campos de Higgs estiver correta, ela será descoberta pelo LHC. Procura-se também a existência da supersimetria. Experiências que investigam a massa e a fraqueza da gravidade serão um equipamento toroidal do LHC e do CMS- Solenoide de Múon Compacto. Elas irão envolver aproximadamente 2 mil físicos de 35 países e dois laboratórios autónomos — o JINR (Joint Institute for Nuclear Research) e o CERN.

Críticas e riscos
Alguns cientistas acreditam que este equipamento pode provocar uma catástrofe de dimensões cósmicas, como um buraco negro que acabaria por destruir a Terra. Para tanto, corre um processo num tribunal do Havaí tentando impedir a experiência, até que haja uma total comprovação de que não haja riscos. Outros acusam o CERN de não ter realizado os estudos de impacto ambiental necessários[carece de fontes]. No entanto, apesar das alegações de uma suposta criação de um buraco negro, o que de fato poderia ocorrer seria a formação de strange quarks, possibilitando uma reação em cadeia e gerando a matéria estranha; esta possui a característica de converter a matéria ordinária em matéria estranha, logo gerando uma reação em cadeia na qual todo o planeta seria transformado em uma espécie de matéria estranha.
Apesar das alegações "catastróficas", físicos teóricos de notável reputação como Stephen Hawking e Lisa Randall afirmam que tais teorias são meramente absurdas, e que as experiências foram meticulosamente estudadas e revisadas e estão sob controle.
Entretanto, se um buraco negro fosse produzido dentro do LHC, ele teria um tamanho milhões de vezes menor que um grão de areia, e não viveria mais de 10−27 segundos (ou 0,0000000000000000000000000001 segundo), pois por ser um buraco negro, emitiria radiação e se extinguiria.
Mas, supondo que mesmo assim ele continuasse estável, continuaria sendo inofensivo. Esse buraco negro teria sido criado à velocidade da luz (300 mil km por segundo) e continuaria a passear neste ritmo se não desaparecesse. Em menos de 1 segundo ele atravessaria as paredes do LHC e se afastaria em direção ao espaço. A única maneira de ele permanecer na Terra é se sua velocidade for diminuída a 15 km por segundo. E, supondo que isto ocorresse, ele iria para o centro da Terra, devido à gravidade, mas continuaria não sendo ameaçador. Para representar perigo, seria preciso que ele adquirisse massa, mas com o tamanho de um próton, ele passaria pela Terra sem colidir com outra partícula (não parece, mas o mundo ultramicroscópico é quase todo formado por vazio), e ele só encontraria um próton para somar à sua massa a cada 30 minutos a 200 horas. Para chegar a ter 1 miligrama, seria preciso mais tempo do que a idade atual do universo.
O cientista do MITPh.D em Astrofísica pela Universidade de Bolonha, o brasileiro Gabriel Moraes Ernst, considera a teoria concernente com as principais vertentes de análise, ao considerar a aplicabilidade da transferência de pósitrons com base na massa do buraco negro gerado.

Obs. Algumas considerações, ou curiosidades sobre o CERN

- Você sabia que o Vaticanos tem colaborado com o Cern, vou citar como exemplo está notícia: “CERN, a Organização Européia para Pesquisa Nuclear que, é uma instalação de nível internacional e europeu, conversa com o Observatório do Vaticano para enviar alguns de seus jovens cientistas para trabalhar no LHC, pois isso será algo que é extremamente importante"   
- A uma linha de pesquisa no CERN chamada ALICE e tem como objetivo pesquisar o “universo líquido” que se formou logo após o Big Bang, mas por que colocar o nome de uma personagem e história relacionada à magia, pois o livro Alice no país das maravilhas é considerado um manual de magia. A explicação para o nome ALICE se deve ao acrônimo “A Large Iem Collider Experiment”, ou seja:
ALICE é uma das maiores experiências do mundo dedicada à investigação em física da matéria em uma escala infinitamente pequeno. Hospedado no CERN , o Laboratório Europeu de Pesquisa Nuclear, o projeto envolve umacolaboração internacional com mais de 1000 os físicos, engenheiros e técnicos, incluindo cerca de 200 estudantes de graduação, a partir de 105 institutos de física em 30 países em todo o mundo. O experimento ALICE está indo em busca de respostas para questões fundamentais, usando as ferramentas fornecidas pelo extraordinário LHC:
  • O que acontece quando a matéria é aquecida a 100.000 vezes a temperatura no centro do Sol?
  • Por que prótons e nêutrons pesa 100 vezes mais do que os quarks são feitos?
  • Podem os quarks dentro dos prótons e nêutrons ser liberado?
Este website visa tanto a introdução de não-iniciados no campo da física coberta por ALICE e na prestação de informações regulares sobre a evolução do experimento, com relatórios detalhados de seus resultados e análises. Também oferece uma visão da comunidade científica reunida em torno deste projeto e destaca sua contribuição para o avanço de nossa compreensão do universo. Portanto, não importa qual o seu envolvimento com a física, você está convidado a cair pelo buraco do coelho no país das maravilhas de Alice.
- E talvez a coisa mais estranha seja o símbolo escolhido pelo CERN onde facilmente identificamos os números 666 sobrepostos é no mínimo de mal gosto utilizar um símbolo que faça alusão ao número do anti-crsito.   
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Uma Data Histórica para o LHC

Cientistas responsáveis pelo maior colisor de partículas do mundo, o LHC, informaram nesta terça-feira (30) que conseguiram obter choques de prótons geradores de uma energia recorde de 7 TeV (tera ou trilhões de eletron volts), a energia máxima almejada pelo laboratório.

Cientistas observam gráficos sobre as primeiras colisões bem sucedidas de energia total no Grande Colisor de Hádrons(LHC)

Seu objetivo é recriar condições similares ou miniversões do Big Bang, a grande explosão que teria dado origem ao universo. Os impactos de hoje chegaram a três vezes o máximo obtido antes.
No fim de novembro, o equipamento já havia atingido a marca de 1,18 TeV --posteriormente ainda chegando a 2,36 TeV em 2009--, e com isso já se tornando o acelerador de partículas de energia mais alta do mundo.
"Isto é física em ação, o início de uma nova era, com colisões de 7 TeV", disse Paola Catapano, cientista e porta-voz do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em francês), de Genebra, ao anunciar o experimento.
Os aplausos foram intensos nas salas de controle quando os detectores do Grande Colisor de Hadrons (LHC), instalado na fronteira entre França e Suíça, marcaram o choque de partículas subatômicas a uma velocidade próxima à da luz. O colisor possui um túnel oval de 27 quilômetros de comprimento e custou US$ 9,4 bilhões.


Duto com ímãs restaurados em 2009 corre por trecho do túnel do LHC que havia sido danificado durante a pane ocorrida em 2008

Os cientistas do LHC disseram: "Estamos abrindo as portas à Nova Física, a um novo período de descobertas na história da humanidade", disse Rolf Dieter Heuer, diretor geral do Cern.
Cada colisão entre as partículas cria uma explosão que permite que milhares de cientistas vinculados ao projeto em todo o mundo rastreiem e analisem o que aconteceu um nanossegundo depois do hipotético Big Bang original, 13,7 bilhões de anos atrás.
O Cern reativou o LHC em novembro, depois de paralisá-lo nove dias depois do lançamento inicial, em setembro de 2008, quando a máquina se superaqueceu devido a problemas no cabo supercondutor que conecta dois ímãs de refrigeração.
Os cientistas esperam que a grande experiência lance luz sobre mistérios importantes do cosmos, como a origem das estrelas e dos planetas e o que exatamente é a matéria escura.
Agulhas pelo Atlântico

"Alinhar os feixes já é um grande desafio; é como disparar agulhas dos dois lados do Atlântico e esperar que elas colidam de frente no meio do caminho", disse Steve Myers, diretor de aceleradores e tecnologia do Cern.
Os físicos estão se concentrando na identificação do bóson de Higgs --a partícula que recebeu o nome do professor escocês Peter Higgs, que três décadas sugeriu que algo como ela torna possível a conversão da matéria criada no Big Bang em massa.
Tentativas anteriores de encontrar a partícula fracassaram. Segundo os físicos, a presença dela no cosmos permitiu que os escombros gasosos após o Big Bang se transformassem em galáxias, com estrelas e planetas como a Terra.


Grande Colisor de Hádrons (LHC), acelerador de partículas do Laboratório Europeu de Física Nuclear (Cern), entre Suíça e França

Os cientistas do Cern também esperam encontrar evidência concreta da matéria escura, que acredita-se ser responsável por cerca de 25% do Universo. Apenas 5% do total do Universo representa material visível, que reflete a luz.
Os pesquisadores, no decorrer dos estudos no LHC, também esperam encontrar prova real da existência da energia escura, que representa os cerca de 70% restantes do cosmos.
Mas o experimento também pode ingressar no mundo da ficção científica, uma vez que as previsões de muitos cosmologistas apontam para a existência de outros universos paralelos e de dimensões, além de se vislumbrar o que havia antes do Big Bang.

Os Perigos do LHC

O CERN quer reproduzir em breve, o Big Bang, andam em fase de testes.
O LHC  ( large hadron collider) é um anel subterrâneo, a cerca de 100 metros do solo, tem 27 km de comprimento.
            Os cabos utilizados no LHC totalizam uma distância equivalente a 10 vezes a distância da Terra ao Sol...
            A colisão gera temperaturas que pode chegar a biliões de graus.  Numa fração de segundo, um ponto minúsculo pode ser mais quente que uma galáxia.



Esses cientistas dizem que a experiência não apresenta nenhum risco, mas é nesse ponto que discordo e passo a explicar.

            Se existem problemas em diversas fábricas ditas "vulgares" no Planeta, petroquímicas , refinarias etc, que os técnicos conhecem há decadas e supostamente saberiam funcionar com elas, quem poderá garantir-nos que o CERN, não terá problemas técnicos ?

            Ainda por cima, tendo  em conta que eles vão levar a cabo experiências totalmente NOVAS, para as quais os cientistas não podem estar preparados porque ISTO NUNCA FOI FEITO ANTES.

            Os humanos são muito recentes no universo, como podem saber controlar um big bang ( em miniatura) ? Um big bang é algo desconhecido, a única coisa que sabem sobre big bang são meras teorias !! O Big bang ocorreu há biliões de biliões de anos, nada sabemos dele, nem como ocorreu, os únicos vestígios são algumas radiações que os satélites captam, que os observatórios identificam...


            Alguns físicos dizem que o CERN poderá ajudar a criar novos estados de matéria, ainda desconhecidos.
            Então se serão matérias desconhecidas, como podem eles garantir segurança se nem conhecem as característicias e comportamentos desses estados de matéria?

            Há físicos que garantem que se algo correr mal, podem formar-se micro-buracos negros (black holes) e que poderiam ir acumulando massa e aumentando de tamanho, se tal ocorrer, os cientistas não saberão como impedir isso!
            Ainda pouco se sabe acerca de buracos negros, e  surgem sempre fenómenos intrigantes que ainda espantam os astrónomos  ( o que indica que quase nada se sabe sobre o tema ) veja: Buraco negro gigantesco é catapultado para o espaço.

            Buracos negros são ainda gigantes desconhecidos, a cada dia que passa os astrónomos descobrem novos fenómenos no Universo, o que prova que POUCO ou nada sabemos ainda sobre o Universo!

            É demasiada presunção para o ser humano, imaginar que pode controlar forças desconhecidas.

            Partículas que colidem e originam um pequeno big bang, podem originar reacções aleatórias, o big bang não foi algo ordenado, previsível.
Foi uma mega explosão , caótica, desordenada, surgem várias reacções imprevisíveis, o universo surgiu do caos, dessa mega explosão.

            Os cientistas garantem que nada de mal acontecerá, mas como podem ter a certeza? Imprevistos surgem em tudo, por exemplo a NASA teóricamente  vistoria os vai e vens antes de cada missão espacial, para garantir a segurança dos mesmos, fazem testes minuciosos, etc, mas mesmo assim não impediram alguns acidentes, como o do vaivém "columbia".
Vaivéns que custam milhões de dólares e a vida humana dos astronautas!
           
Então quem nos garante que um projecto como o CERN, não terá problemas técnicos?

            A 27 de Março de 2007 ocorreu uma explosão acidental, leia AQUI.


            Eles argumentam que "mini buracos negros" caso ocorressem, não seriam perigosos.
            Como podem eles dizer isso? Já produziram alguns e os observaram?
Já analisaram algum em laboratório? -              NUNCA!

            COMO PODEM ELES GARANTIR  A SEGURANÇA  da experiência, se nem a propria segurança dos servidores eles mantêm ?
HACKERS invadiram os servidores do CERN.

O CERN e a Anti-Matéria

            O CERN também produziu um "desacelerador de anti-protóns" um aparelho para criar anti-matéria em grandes quantidades! .



A anti-matéria é idêntica à matéria física, excepto por ser composta de partículas cujas descargas eléctricas são inversas àquelas encontradas na matéria normal.
            A anti-matéria é a mais poderosa fonte de energia conhecida pelo homem. Liberta energia com 100 por cento de eficiência (a fissão nuclear é 1,5 por cento eficiente).

            Ela é extremamente instável. Incendeia-se ao entrar em contacto com qualquer coisa, inclusivé o ar.
            Uma única grama de anti-matéria contém energia igual à de uma bomba nuclear de 20 quilotons - o tamanho da bomba que caiu sobre Hiroshima.

                                   Outros riscos da experiência
            Seria por exemplo a criação de strangelets, ou ainda strange nugget são pequenos fragmentos de matéria estranha .

O  físico  Sheldon Glashow, ( que ganhou  um  Prémio Novel de Física em  1979) , dissera que :
" Um strangelet  recém-criado poderia engolir os núcleos atómicos, crescendo sem parar até consumir a Terra inteira.”

            Produção monopólos magnéticos - Um monopólo seria capaz de gerar linhas de campo magnético abertas, como as linhas de campo eléctrico de uma carga positiva ou negativa.
            No caso magnético isso nunca foi observado, pois esses possuem divergentes iguais a zero.
            Os campos magnéticos sempre se encerram sobre si mesmos, como um dipólo eléctrico (uma analogia com campos eléctrico, uma carga positiva e uma negativa a uma certa distância uma da outra).
            A produção desses monopólos magnéticos podem induzir um processo de decaimento de prótons, geralmente num pion e um pósitron, que faria toda a matéria  desestruturar-se.

            Produção de uma fenda inter-dimensional...

            Há suspeitas que poderão querer desenvolver anti-materia para algum tipo de arma, ou propulsão de naves.

            O cientista  espanhol  Luís Sancho, que também é escritor no campo da ciência de sistemas, investiga, dá palestras  internacionais sobre tempo cíclico e cosmologia.
            Um dos temas dos seus livros é  o universo como um sistema evolutivo de natureza  fractal
            Luís Sancho explica que o CERN pretende criar 3 tipos de matéria :
Matéria de massa máxima ( para estudar os três horizontes evolutivos de massa do Universo ),  a massa extranha mais densa  ( componente das estrelas de neutrões  ) e a massa "Tau"  provável
componente dos buracos-negros.
            O problema é que a massa estranha e massa "tau"   se alimentam , quando alcançam a estabilidade em ambientes  de alta energia de matéria  radiante do nosso Universo, convertendo essa energia
em matéria escura...
            Antes do CERN existiu o RHIC, ( Colisor Relativístico de Íons Pesados (RHIC, de Relativistic Heavy Ion Collider) que criou um líquido ultra denso  de matéria estranha, instável por não ter suficiente energia.
            Eles querem provar a teoria de Hawking, mas Hawking pode estar errado, é apenas um humano e humanos erram. Eles pensam que um mini buraco negro poderia evaporar-se.
            Mas na verdade em 33 anos nunca se observou nenhum buraco negro evaporar-se, no universo.

Hawking Diz que: acelerador de partículas não ameaça a Terra


Simulação de um buraco negro feita pela Cern

O físico britânico Stephen Hawking afirma que não há perigo de que, ao ser acionado nesta quarta-feira, um gigantesco acelerador de partículas construído sob os Alpes suíços possa criar um buraco negro capaz de engolir o planeta (e o resto do sistema solar) em questão de minutos - como temem alguns cientistas.

Buraco Negro

            Grupos de cientistas temerosos com o LHC, foram duas vezes a tribunais europeus tentar impedir o acionamento do aparelho.
            Mas, em entrevista à BBC, Hawking - um dos físicos mais respeitados do mundo - afirma que o experimento não representa perigo.
            "Se as colisões no LHC criarem um micro buraco negro, e isso é pouco provável, ele apenas evaporará novamente, produzindo padrões característicos de partículas", disse o físico.
            "Colisões com essas, e ainda maiores, quantidades de energia ocorrem milhões de vezes por dia na atmosfera da Terra e nada terrível acontece", acrescentou.
            Físicos esperam que o LHC ajude a resolver algumas das questões mais fundamentais sobre a natureza do mundo, revelando os segredos da chamada matéria escura.
"Partícula Deus"

            Uma das questões que despertam maior expectativa diz respeito à partícula de Higgs, também conhecida como "partícula Deus", a mais procurada pelos físicos.
            Cientistas acreditam que ela dê massa a tudo o que existe, e encontrá-la seria crucial para a nossa compreensão do universo. Hawking, no entanto, diz ter apostado cem libras (cerca de US$ 170) que o acelerador não vai encontrá-la.
            "Acho que vai ser muito mais interessante se não encontrarmos (a partícula de) Higgs. Isso vai mostrar que algo está errado, e que precisamos pensar de novo", afirmou. "Fiz uma aposta de cem libras que não vamos encontrar a Higgs."
            Na opinião de Hawking, o LHC também pode ajudar na identificação de partículas que os físicos chamam de "super-parceiros", ou "parceiros supersimétricos" para as partículas que conhecemos hoje.
            "Sua existência seria uma confirmação importante da Teoria da Corda, e elas podem compor a misteriosa matéria escura que mantém as galáxias juntas", afirma o físico britânico.
            "O que quer que o LCH encontre, ou não encontre, os resultados vão nos dizer muito sobre a estrutura do universo", acrescentou. "O LHC vai aumentar quatro vezes a energia com que podemos estudar interações entre partículas."
Altos custos

            Na entrevista à BBC, Stephen Hawking também rebateu as críticas dos que reclamam dos altos custos do projeto.
            "Ao longo da história, as pessoas têm estudado ciência pura por causa de um desejo de conhecer o universo, mais do que por aplicações práticas, ou ganhos comerciais", afirma o físico. "Mas suas descobertas mais tarde trouxeram grandes benefícios práticos."
            "É difícil ver um retorno econômico da pesquisa do LHC, mas isso não significa que não haverá algum", acrescentou.
            Quando perguntado se seria capaz de escolher entre o LHC ou o programa espacial, Hawking disse que seria o mesmo que escolher "qual dos filhos escolher para o sacrifício".
            "Tanto o LHC como o programa espacial são vitais para que a raça humana não se embruteça e, finalmente, morra", afirma o físico. "Juntos, eles custam menos do que 0,1% do PIB mundial."
            "Se a raça humana não puder sustentar isso, não merece o epíteto “humana”, comparou Hawking.
Universos Paralelos

            Cientistas tem comentado, embora com cautela, que os experimentos da Cern estão se aventurando pelo terreno da ficção científica especulativa: universos múltiplos, mundos paralelos e buracos negros no espaço funcionando como elos entre esferas diferentes de existência.
            Hawking afirma que um universo paralelo pode ser muito diferente do que o que conhecemos. "De acordo com a idéia da soma de histórias, de Richard Feynman, o universo não apenas tem uma única história, como poderíamos pensar, mas tem todas as histórias possíveis, cada uma com seu proprio peso", diz o físico.
            "Algumas dessas histórias conterão criaturas como eu, fazendo coisas diferentes, mas a vasta maioria das histórias será muito diferente."
Prêmio Nobel

            Em 1974, Stephen Hawking defendeu a idéia de que devido a efeitos quânticos, buracos negros primordiais criados durante o Big Bang poderiam "evaporar" por um processo hoje chamado de Radiação Hawking, em que partículas de matéria seriam emitidas.
            De acordo com esta teoria, quanto menor o tamanho do micro buraco negro, mais rápido o índice de evaporação, resultando em explosões repentinas de partículas.
            No passado, Hawking fez piadas e chegou a dizer que se o LHC realmente criasse buracos negros, e mesmo se eles durassem muito pouco tempo, isso poderia lhe valer um prêmio Nobel. Hoje, no entanto, o físico britânico diz não acreditar que isso seja iminente.
            "Se o LHC produzisse pequenos buracos negros, não penso que haja qualquer dúvida de que eu ganharia um prêmio Nobel, se eles mostrassem as propriedades que eu prevejo", afirma Hawking.
            "No entanto, acho que a probabilidade de que o LHC tenha energia suficiente para criar buracos negros é menor do que 1%", acrescentou. "Então, não estou contando com isso."
Há Também as Teorias da Conspiração sobre o LHC que dizem:

            CERN confirma que físico preso trabalhava no centro
Genebra, 9 out (EFE).- O Centro Europeu de Investigação Nuclear (CERN, na sigla em francês) confirmou hoje que o homem detido na quinta-feira na França por supostos vínculos com o terrorismo é um físico que desenvolvia projetos na instituição.
Entre as atividades, o preso participava de uma experiência conhecida como LHCb, dedicada à pesquisa das diferenças entre a matéria e a antimatéria.
Segundo o CERN, o suspeito de terrorismo não integrava o quadro de funcionários do centro, mas desde 2003 participava de atividades por meio de um convênio com uma instituição do exterior.
Além disso, assegurou que o físico “nunca esteve em contato com nenhum elemento que pudesse ser utilizado como de fins terroristas”.
“É um laboratório de pesquisa de física de partículas, cujo trabalho gera perguntas fundamentais sobre o universo e que, em nenhum dos casos, suas indagações científicas têm aplicação militar”, esclareceu CERN.
Prova disso são as publicações dos trabalhos do cientista.
A direção do CERN acrescentou que está fornecendo informações à Polícia francesa.
O físico de nacionalidade francesa e origem norte-africana foi detido na quinta-feira com seu irmão na França acusado de manter vínculos com organizações terroristas. EFE
Agora vejam o vídeo abaixo com declarações de um cientista francês que trabalhou no projeto LHC, com a verdade sobre o vírus H1N1. 

Assista ao vídeo pelo link abaixo:


Transcrição do referido vídeo:
——————————-
Aconselho-vos a ver atentamente este documento até o fim, mesmo que seu conteúdo vos pareça chocante.
1- As perguntas
Porquê o homem, este organismo complexo que soube atravessar o tempo, evoluindo a milênios, possuindo capacidades que os maiores cientistas nunca puderam explicar, dotado de uma força e robustez incrível,pode ser derrubado tão rapidamente por um vírus?
O homem nunca conheceu tantas doenças mortais, como durante este último século: AIDS, Cancro, Gripe A…
Quanto mais evoluímos, mais doenças existem… Será normal?
O homem não deveria estar mais apto para encontrar soluções?
Nada posso afirmar para a maior parte destes vírus, mas no que diz respeito à Gripe A, EU CONHEÇO A VERDADE.
2- As respostas
o CERN, Organização Européia para a Investigação Nuclear, situado ao norte de Meyrin, meu antigo lugar de trabalho. Passei lá mais de 15 anos.
Participei na elaboração do projeto LHC, um acelerador de partículas, que tinha por objetivo estudar a matéria e a antimatéria, para confirmar algumas teorias que diz respeito à física de partículas.
Pusemos o LHC em atividade em 2008, e os resultados superaram as nossas expectativas.
Depois destas descobertas, o LHC foi manipulado por organizações ultra secretas.
Nossos projetos foram destruídos e nosso acesso ao LHC foi proibido.Tentamos compreender as razões desta mudança súbita, e sem querer, pusemos a mão num pesado segredo de estado.
Estas organizações secretas manipularam o LHC para outras experiências, estenderam a massa até a realização de um mini buraco negro e assim gerar uma curvatura do espaço-tempo.
ELES VIRAM O FUTURO…
Eles viram o homem adquirir novos sentidos ultra-complexos. A amplitude destes novos sentidos e a sua chegada súbita, fizeram as autoridades perderem o controle.
Eles viram homens novos testando-se, mas que ainda não controlam seus novos poderes. Viram o mundo dirigir-se para a paranóia. Viram nas ruas uma histeria coletiva. Toda o mundo fica subitamente incontrolável.
Eles viram o mundo em gueraa. Uma guerra moderna que amplificou inúmeros estragos. 90% da superfície do globo fica inexplorável.
É o que eles consegiram ver graças ao LHC.
Este salto no tempo permitiu ao homem encontrar um meio de evitar esse futuro.
É preciso modificar o nosso presente em menos de um ano. Eles acham que a solução mais simples é PARAR A EVOLUÇÃO NEUROLÓGICA DO HOMEM.
É preciso modificar a genética de todos os humanos no planeta em menos de um ano. A melhor solução seria a injeção de plasmídeos.
Anunciando a chegada de uma doença grave e alertando as populações através das mídias, a injeção do plasmídeo disfarçada em suposta vacina, poderia ser realizada com uma transparência perfeita.
Todas as mortes ligadas a Gripe A são pura manipulação. Todas as autopsias revelaram que a maior parte das pessoas morreram de uma outra doença maligna juntamente com grande febre. Nada de inabitual.
Mas as mídias insistem em ligar essas mortes a Gripe A.
A GRIPE H1N1 NUNCA EXISTIU.
É apenas uma doença concebida pelo homem afim de incitar a população a tomar a vacina. A injeção de plasma para parar a própria evolução do homem será assim realizada.
Nossa secção era constituída por 17 pessoas e foi dissolvida no mês de julho de 2009.O LHC custou mais de 6 bilhões de Euros ao CERN. Para quê? Para a investigação…
Por quem nos julgam? Eles já sabiam qual seria seu uso.
—————————-

Meu Comentário


Deixando de lado as Teorias da Conspiração, espero ter passado informações suficientes sobre o LHC que é uma das maiores máquinas já feitas pelo ser humano, mas onde este equipamento nos levará ninguém sabe...
Mas cabe a mim fazer um alerta: há uma teoria na qual se afirma que, os buracos negros criados acima de 8 TeV podem comprometer a terra causando até mesmo a sua total destruição, bem como engolir o sistema solar e assim por diante. Os cientistas do LHC pretendem trabalhar com até 7 TeV até 2012 e depois tentarão chegar ao limite da máquina que é 14 TeV...
Será que estes cientistas não estarão colocando todos nós em risco ao utilizarem mais de 7 TeV e vejam a data que eles querem fazer isso que é a partir de 2012. Vocês sabem o que os Maias falam dessa data? Eu penso que é melhor ter certeza antes de arriscar, mas será que os jalecos brancos do CERN / LHC pensam assim??? 


 






















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário